Saída da Mizuno abre espaço para expansão global da Havaianas, diz Alpargatas

0
8

Marca de chinelos tem retornos mais altos e é o principal negócio da empresa. Vulcabras fecha acordo com Alpargatas para comprar operação da Mizuno no Brasil Reprodução/Mizuno Brasil/Facebook O presidente da Alpargatas, Beto Funari, afirmou que a venda das operações no Brasil da Mizuno para a Vulcabras Azaleia traz dois grandes benefícios para a companhia. O primeiro deles é fortalecer o foco na expansão global da marca Havaianas, que tem retornos mais altos e é o principal negócio da empresa. O segundo ponto relatado é a melhoria nos indicadores financeiros, liberação de capital de giro e a liberação de fábricas para suportar a ampliação da produção do portfólio das Havaianas. No dia 21 de setembro, a companhia divulgou a venda da Mizuno por R$ 200 milhões para a Vulcabras Azaleia, após uma parceria de 23 anos com a marca japonesa. “A marca Mizuno não tem sinergia com a nossa estratégia, apesar de ser uma marca boa, a venda está em linha com a estratégia de desinvestimentos do que não faz parte do nosso principal negócio, e nos traz de volta ao foco em estratégias de alto retorno”, disse Funari, durante apresentação aos investidores no evento Panorama Itaúsa 2020. Em 2015, a companhia já havia vendido o controle das marcas Topper e Rainha para o grupo do empresário Carlos Wizard Martins. No evento de hoje da Itaúsa, dona de 28,73% de participação na Alpargatas, o Funari falou também sobre a expansão da marca no exterior, o crescimento de vendas on-line e a expetativa para o futuro. “A Havaianas foi a marca de melhor performance global no setor de calçados durante a pandemia. Crescemos 16% em receitas no mercado internacional, a escolha de mercados como EUA, China e Europa se mostrou acertada, além do foco no negócio digital nesses países, que mostra que estamos preparados para o futuro”, disse. Vídeo: Veja mais notícias sobre a indústria calçadista Fábricas participam de projeto para exportar calçados produzidos em Birigui Source: G1 Economia

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA